(ais)Thesis: Razões (&) práticas

Nome:
Local: Guarapari, ES, Brazil

quarta-feira, maio 31, 2006

“Simpósio Internacional de Artemídia e Cultura Digital”

Artemídia e Cultura Digital
“Simpósio Internacional de Artemídia e Cultura Digital” promove debate com especialistas em arte, literatura, comunicação, ciência e educação sobre a cultural digital.
25/05/2006
Da Redação (ArteCidadania.org.br)

Começa hoje, 25 de maio, o ACTAMEDIA 5 - Simpósio Internacional de Artemídia e Cultura Digital no Museu Brasileiro da Escultura (MUBE). O Simpósio que também será realizado na Escola de Comunicações e Artes da USP, tem como proposta principal debater com especialistas em arte, literatura, comunicação, ciência e educação o cenário atual da cultural digital. O professor Jean-Pierre Balpe, da Universidade Paris 8, participará da abertura do evento, como convidado especial. O Simpósio é organizado pelo professor Artur Matuck, da ECA, e pelos alunos do curso de pós-graduação Processos Autorais em Sistemas Digitais e Arte Telemática.As inscrições para o ACTAMEDIA 5 podem ser feitas pelo e-mail actamedia@gmail.com ou nos locais do evento. O evento é gratuito. ACTAMEDIA 5 - Simpósio Internacional de Artemídia e Cultura Digital Mais informações: (11) 3091-4068, com Maria Eugênia Gouveia, na Assessoria de Comunicação da ECASite Oficial: www.usp.br

segunda-feira, maio 29, 2006

Collections photographiques de la Société de Géographie

Collections photographiques de la Société de Géographie (Bibliothèque de la Société de Géographie)

Textos disponíveis na BNF

Jean Le Rond d'Alembert
L'encyclopédie. Tome 3
Discours préliminaire de l'Encyclopédie
Lettre de d'Alembert à M. J.-J. Rousseau sur l'article Genève

André-Marie Ampère
Mémoire sur les effets du courant électrique

François René de Chateaubriand
Analyse raisonnée de l'histoire de France
Essai historique, politique et moral sur les révolutions anciennes et modernes, avec les notes inédites d'un exemplaire confidentiel
Essai sur les révolutions
Etudes historiques
Lettre à M. de Fontanes, sur l'ouvrage de Mme de Staël
Mélanges littéraires
Pensées, réflexions et maximes

Nicolas Coeffeteau
Histoire romaine

Auguste Comte
Discours sur l'esprit positif

Denis Diderot
Addition aux "Pensées philosophiques"
De la suffisance de la religion naturelle
Essai sur la vie de Sénèque
Essai sur le mérite et la vertu
Le fils naturel
Le père de famille
Suite de l'apologie de M. l'abbé de Prades

Émile Durkheim
De la division du travail social

Gustave Flaubert
Correspondance
La tentation de Saint-Antoine (versions de 1849, 1856, 1874)
Madame Bovary : moeurs de province
Smarh
Trois contes

Augustin Fresnel
Sur La diffraction de la lumière
Eugène Fromentin
Un été dans le Sahara
Numa Denis Fustel de Coulanges
La Cité antique

Marie de Gournay
Préface [aux] "Essais" de Montaigne

François Guizot
Cours d'histoire moderne

Pierre-Augustin Guys
Voyage littéraire de la Grèce

François de La Rochefoucauld
Maximes

Pierre-Simon Laplace
Exposition du système du monde
Théorie analytique des probabilités

Charles-Marie Leconte de Lisle
Poèmes antiques
Poèmes barbares
Poèmes tragiques

Marin Mersenne
L'impiété des déistes, athées et libertins de ce temps

Alfred Meyer
L'art de l'émail de Limoges ancien et moderne

Jules Michelet
Histoire romaine. 1ère partie. [1-2]. République
Introduction à l'histoire universelle
Le peuple
L'insecte
L'oiseau
Sur les chemins de l'Europe : Angleterre, Flandre, Hollande, Suisse, Lombardie, Tyrol

Blaise Pascal
De l'esprit géométrique
Les provinciales
Pensées sur la religion et sur quelques autres sujets
Préface sur le traité du vide

Henri Poincaré
La mécanique nouvelle : conférence, mémoire et note sur la théorie de la relativité
La théorie de Maxwell et les oscillations hertziennes
La valeur de la science
Thermodynamique

Alexander Pope
Lettre d'Héloïse à Abailard

Guillaume-Thomas Raynal
Histoire philosophique et politique des établissemens et du commerce des Européens dans les deux Indes

Jean-Baptiste-René Robinet
De la nature

Georges Rodenbach
Le règne du silence

Charles Rollin
Histoire ancienne des Egyptiens, des Carthaginois, des Assyriens, des Babyloniens, des Mèdes et des Perses, des Macédoniens, des Grecs

Jean Charles Léonard Simonde de Sismondi
Nouveaux principes d'économie politique
Georges Sorel
Réflexions sur la violence

(http://gallica.bnf.fr/textes.htm)

Liste des périodiques (da Biblioteca Nacional Francesa)

http://gallica.bnf.fr/periodiques.htm

Dicionários online

Etimologias
Dictionnaire étymologique de la langue françoise / par M. Ménage ; éd. par A. F. Jault,... (BNF)
Dictionnaire étymologique de la langue wallonne / par Ch. Grandgagnage (BNF)

Dictionnaires d'Esthétique

Briquet, Charles-Moïse, [Les] filigranes. (1923) - 4 volumes (BNF)

Corneille, Thomas, [Le] Dictionnaire des arts et des sciences. (1694) - 2 volumes (BNF)

Fétis, François-Joseph, Biographie universelle des musiciens et biographie générale de la musique (1866-1868) - 8 volumes (BNF)

Fétis, François-Joseph, Biographie universelle des musiciens et biographie générale de la musique...Supplément et complément publiés sous la direction de M. Arthur Pougin (1878-1880) - 2 volumes (BNF)

Pernety, Antoine-Joseph, Dictionnaire portatif de peinture, sculpture et gravure ([1757]) (BNF)

Quatremère de Quincy, Antoine, Encyclopédie méthodique. (1788-1825) - 3 volumes (BNF)

Dictionnaires de Philosophie et de Théologie
Bernier, Henri, Théologie portative ou Dictionnaire abrégé de la religion chrétienne (1768) (BNF)

Eisler, Rudolf, Kant-Lexikon (1930) (BNF)

Maréchal, Sylvain, Dictionnaire des athées, anciens et modernes... (1833) (BNF)

Nicolas de Byart, Dictionarius pauperi omnibus predicatoribus verbi divini necessarius in quo multus succinete continentur materie singulis festinatibus totis anni tà de sanctis accomodade ut in tabula huius operis facile et lucide cognocetur (1498) (BNF)

Mathématiques

Hutton, Charles, Mathematical and philosophical dictionary. (1795) - 2 volumes (BNF)

Sarrazin de Montferrier, Alexandre, Encyclopédie mathématique ou Exposition complète de toutes les branches des mathématiques d'après les principes de la philosophie des mathématiques de Hoëné Wronski. Première partie ([1856-1859]) - 4 volumes (BNF)

Sonnet, Hippolyte, Dictionnaire des mathématiques appliquées (1874) (BNF)

Physique

Brisson, Mathurin-Jacques, Dictionnaire raisonné de physique. (1781) - 3 volumesLibes, (BNF)

Antoine, Nouveau dictionnaire de physique. (1806) - 4 volumes (BNF)


Ciências Sociais
Ott, Auguste, Dictionnaire des sciences politiques et sociales comprenant la politique, la diplomatie, le droit naturel, le droit ds gens, les rapports de l'Eglise et de l'Etat, l'administration, les finances, la police, la force armée, l'économie politique et la statistique (1854) (BNF)


Siglas
BNF - Biblioteca Nacional da França

segunda-feira, maio 22, 2006

Electronic Theses and Dissertations - Virginia Polytechnic Institute University




Electronic Theses and Dissertations including available, restricted and withheld ETDs http://scholar.lib.vt.edu/theses/

ELECTRONIC ANTIQUITY:COMMUNICATING THE CLASSICS



ELECTRONIC ANTIQUITY:COMMUNICATING THE CLASSICS
Editors: Terry Papillon Terry.Papillon@vt.edu Andrew Becker abecker@vt.edu
(Book Reviews)
DLA Ejournal Home Page Electronic Antiquity Home

Collection of Speculative Fiction


William J. Heron Collection of Speculative Fiction

Digital Library and Archives, University LibrariesVirginia Polytechnic Institute and State University

Bryn Mawr Classical Review



Bryn Mawr Classical Review publishes timely reviews of current scholarly work in the field of classical studies (including archaeology). This site is the authoritative archive of BMCR's publication, from 1990 to the present. Subscription to the ongoing journal is free and may be obtained by filling in the appropriate form;

Mediterranea. Ricerche storiche


Mediterranea. Ricerche storiche
ISSN: 1824-3010 ISSN: on line 1828-230X
Copyright © Associazione no profit "Mediterranea"

Peeters Online Journals


Peeters Online Journals is an online database for academic resources. It provides worldwide access to a variety of journals in several languages. Peeters Online Journals gives you the opportunity to retrieve the articles you were looking for in an easy, but accurate way. For more information click here.

Library Catalogue: University of Cambridge

Classics Lectures Offered to JACT Groups and Schools

Classics Lectures Offered to JACT Groups and Schools, at University of Cambridge / Faculty of Classics
http://www.classics.cam.ac.uk/faculty/lectures_offered.asp

domingo, maio 21, 2006

Entrevista: Peter Handke

São Paulo, domingo, 21 de maio de 2006

+(L)ivros

O escritor austríaco, um dos principais em língua alemã, fala de seu trabalho Devorado pelas palavras
EMILIE GRANGERAY

Faz 16 anos que ele mora em Hauts-de-Seine (perto de Paris), que retratou magnificamente em "Meu Ano na Baía de Ninguém". Há 16 anos escreve ao ar livre, "ao sol, ao vento, nos bosques frondosos" -"meu ideal". É aqui que, sozinho, no silêncio e na ausência de outros, entra no que Wittgenstein chamou de "atmosfera poética". Peter Handke aceitou falar conosco sobre seu método e suas obras. Nascido em 1942 na pequena cidade de Griffen, na região de Karst (Áustria), Peter Handke passou seus primeiros anos em Berlim Oriental. Sua mãe, de origem eslovena, casou-se, pouco antes de ele nascer, com um suboficial da Wehrmacht, como conta em "A Infelicidade Indiferente". Em 1966, sua peça "Insulto ao Público" e seu primeiro romance, "Os Vespões", chamaram imediatamente a atenção. Quatro anos depois, Handke realiza "Crônica dos Acontecimentos Correntes", um longa para a TV. Em 1978 adapta sua obra "A Mulher Canhota". Depois, escreveria "As Asas do Desejo", para Wim Wenders. De Handke, já foram lançados no Brasil "História de uma Infância" (Cia. das Letras), "A Ausência", "A Repetição" e "A Tarde de um Escritor" (Rocco). Peter Handke começou falando, na entrevista, sobre "De Manhã na Minha Janela (1982-1987) - Cadernos do Rochedo".

Pergunta - O senhor sempre manteve cadernos de notas? Por que teve vontade de publicar essas "notas, percepções, reflexões e perguntas"?
Peter Handke - Comecei a fazer um caderno quando fui internado em um hospital, em 1975. Até então só tomava notas para elaborar meus livros. Hoje quase não anoto mais nada: não tenho vontade de ser metódico demais. Por outro lado, quando reli esse cadernos, fiquei entusiasmado. Encontrei neles uma forma: era o mundo ritmado, com espaços intermediários.

Pergunta - Foram justamente os russos e os americanos -principalmente Faulkner- que o colocaram na via da narrativa?
Handke - E que ainda hoje me levam de volta a ela. A narrativa -mais do que o teatro, mais do que a poesia (mas escrever um poema por ano já é uma graça)- é meu ideal.

Pergunta - O sr. é um grande leitor?
Handke - Leio muito para me concentrar e para me purificar. Para me sentir ao mesmo tempo transparente e forte. Para decifrar, mais do que para consumir. Eu arejo o cérebro por meio do trabalho com a língua. Neste momento, por exemplo, traduzo poesia árabe.

Pergunta - Embora o sr. se imponha "não caracterizar, não tipificar", pois, como diz, assim que começamos a emitir uma opinião sobre as pessoas, a julgá-las, "a poesia termina", o sr. não consegue se impedir de maltratar os burgueses, esses "donos do mundo cacarejantes".
Handke - É verdade. Todos os dias é uma batalha contra a repugnância. No entanto creio que a opinião impede de escrever. Há dez ou 15 anos transferi o trabalho de escrever da manhã para a tarde, pois era com freqüência nesse momento do dia que eu me deixava levar pelo mau humor e as opiniões. Agora, quando trabalho, tudo desaparece. Trabalho até me cansar. E, quando estou cansado, não tenho mais opiniões.

Pergunta - Com o tempo, as suas frases se tornaram mais longas.
Handke - Na época de "O Medo do Goleiro diante do Pênalti" eu ainda conseguia escrever frases curtas. É um texto muito concentrado, que queria terminar antes do nascimento de meu primeiro filho. E terminei dois dias antes! Sentia-me então -e ainda me sinto- como um operário: era grandioso ficar cansado daquele jeito! Com a idade, percebemos que fazer frases como flechas tem um lado um pouco enganador. Mas o que vemos e o que vivemos como realidade é muito mais complexo. É preciso girar muito o laço para capturar o animal: não podemos mais nos contentar em atirar flechas. No entanto, tenho vontade -quase saudade- de escrever frases curtas, mas, como elas me deixam insatisfeito, volto às frases longas, que deixam passar mais coisas, que dão conta de diferentes realidades. Então me deixo ir, mas prestando muita atenção. Devo sempre lutar contra o lirismo de minha prosa. Nisso meus estudos de direito ajudaram muito.

Pergunta - Que relação o sr. mantém com a língua alemã?
Handke - O alemão é uma língua magnífica... mística, muito precisa, perigosa, em que podemos realmente nos perder.

Pergunta - O sr. corrige seus textos?
Handke - É terrível! Pode haver até quatro revisões, e tenho muito respeito pelos editores que aceitam esses manuscritos que são, às vezes, um verdadeiro campo de batalha! Às vezes corrijo até perder o ritmo do primeiro trajeto. Quando modifico muito, é horrível. Não vejo mais a luz. Fico próximo demais das palavras. Sou devorado pelas palavras. Mas Flaubert e outros já falaram muito sobre essa impotência para que eu acrescente algo.

Este texto saiu no "Le Monde". Tradução de Luiz Roberto M. Gonçalves .